Formulário de inscriçom




Quarta-feira, 11 de Junho de 2008

o nosso idioma é extenso e útil

O nosso idioma é internacional
Sexta, 6 Junho 2008 (7:30)

Artigo publicado originariamente no jornal La Región,
no suplemento especial Dia das Letras José Paz Rodríguez (*)



No Sempre em Galiza assinalava Castelao que “o nosso idioma é extenso e útil porque com pequenas variantes fala-se em Brasil, Portugal e nas hoje ex-colónias portuguesas da Ásia e da África”. Pola sua parte, Risco comentava em 1930 que “poucos galegos se têm percatado do que Portugal é para nós. Portugal é a Galiza ceive e criadora, que levou polo mundo adiante a nossa fala e o nosso espírito, e inçou de nomes galegos o mapa do mundo”.

Rafael Dieste, que em 1933 dirigiu magistralmente a missom pedagógica por Galiza, no seu livro Ante a terra e o céu, diz : “Existe entre o galego e mais o português tam estreita afinidade que quanto mais português é o português e mais galego é o galego, mais venhem a se assemelharem”. Em Pensamento e Sementeira, Vilar Ponte escreve : ”Ou é que ainda hai quem, possuindo algumha cultura, pense que o nosso idioma vernáculo e o idioma de Portugal nom som todo um e o mesmo, com idêntica sintaxe e idêntico léxico, agás pequenas diferenças, fáceis de subsanar, se nom se querem unificar a custo dum pequeno esforço, e agás galicismos e americanismos que abundam na fala dos irmaos de além Minho?”.

Em similares termos falárom outros dos nossos vultos como Otero, Murguia, Biqueira, Bouça-Brei, Blanco Torres, Carvalho Calero, Guerra da Cal e Marinhas del Valhe, ademais de esse grande galego de Anadia que foi Rodrigues Lapa.

Diante deste prístino pensamento lingüístico, desenvolvido nas décadas dos anos vinte e trinta do passado século, um nom se explica porquê os galegos virárom as costas e fechárom os olhos a umha realidade tam evidente. Fazendo seguidismo dum muito errado cidadao asturiano chamado Constantino Garcia, que, para se perpetuar, deixou de herdeiro um Manolo González dirigindo o Centro “Ramón Piñeiro”, do que nos contam tem um orçamento elevadíssimo e umhas contas em excesso opacas.

Polo que nom é admissível que seja neste lugar onde de verdade se decida a errada política lingüística levada a cabo nos últimos tempos. Afastando-nos do mundo lusófono ao que pertencemos e indo contra o mais elementar sentido lingüístico da romanística. Grande responsabilidade é a dos dirigentes deste centro e também a do actual presidente da Academia corunhesa, tomando decisões em nome dos galegos, muito negativas para a internacionalidade e o futuro da nossa língua.

Disfarçadas de falsa normalizaçom, nos últimos 25 anos na Galiza, levamos sofrendo autênticas políticas de substituiçom lingüística. As autoridades e as administrações públicas, em vez de garantir os direitos lingüísticos e democráticos do povo galego, discriminam e perseguem aos que discrepamos e nom aceitamos o programa de substituiçom lingüística e a dialectalizaçom castelhana do nosso idioma, que tenta fazê-lo desnecessário no seu próprio país.

Temos também que exigir o reconhecimento da condiçom internacional da nossa língua, que com a variedade própria das línguas internacionais é falada por centos de milhões de pessoas no mundo, quer como língua nativa, tal como nós, quer como língua oficial de 8 Estados soberanos nos cinco continentes, ou como língua cada vez mais estudada em todo o mundo polas vantagens das línguas internacionais.

Todos os galegos e galegas temos que exigir umha mudança imediata das políticas que tentam fazer a nossa língua desnecessária e dialectal, para outras que garantam os nossos direitos lingüísticos individuais e colectivos, fazendo que o idioma da Nossa Terra seja extenso e útil. Aos nacionalistas temos que solicitar-lhes umha política mais inteligente no apoio à língua, fomentando o uso mais por convencimento que por imposiçom e adiando, se pode ser de forma definitiva, o seu clássico sectarismo.

Muitas vezes as sobreprotecções som mais negativas que positivas. Umha mae “canguru” com o seu filho nom é consciente de que nom está a favorecer o seu desenvolvimento com tal atitude. Aos mesmos recomendamos-lhes voltem a ler o que diziam os nossos vultos mais importantes e os programas daquelas Irmandades da Fala, com ideias muito mais claras que as dos políticos de hoje.

Finalmente solicitamos à actual Junta da Galiza, e ao seu presidente, que, quanto antes, se efective aquele acordo unánime de que de umha vez por todas se podam ver na Galiza as televisões portuguesas e se escutem as rádios. Que se solicite já a entrada da Galiza como membro de pleno direito no conselho da lusofonia (CPLP) com representaçom oficial. Que, quando se aprove no parlamento português o acordo ortográfico, Galiza se adira ao mesmo. E que nom se perda mais tempo, dinheiro e esforços em manter umha língua afastada do mundo ao que pertence. Galiza tem que deixar de ser de umha vez “o País dos tempos perdidos”.

(*) Professor da Faculdade de Educaçom de Ourense.

http://www.agal-gz.org/modules.php?name=News&file=article&sid=4410&mode=nested

 

Amizade Portugal-Galiza editou às 23:18
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Sexta-feira, 23 de Maio de 2008

Além Guadiana na AGAL

Além Guadiana
promoverá a cultura portuguesa em Olivença

Quarta, 21 Maio 2008 (6:30)

 Nasce pra bem do português oliventino e das tradições portuguesas de Olivença e Táliga 
 

Além Guadiana - Recentemente foi criado em Olivença o “Além Guadiana”, associação sem fins lucrativos que nasce com o objectivo de fomentar a cultura portuguesa em Olivença. A iniciativa partiu de um conjunto de oliventinos consciente da grande riqueza que entesoira o património da sua terra. A cidade das duas culturas, como habitualmente é definida Olivença, constitui um exemplo único na península Ibérica pela sua história (partilhada entre Portugal e Espanha) e um lugar onde convivem e se mesclam com naturalidade elementos de ambas culturas..


Além Guadiana nasce com a intenção de potencializar esse carácter mestiço, recuperando e fomentando manifestações relacionadas com a língua, tradições orais, a gastronomia, a música, a literatura, etc. As suas actividades principais são: contribuir para a promoção da língua portuguesa em Olivença, realizar acções de sensibilização, valorizar a cultura portuguesa, fomentar o conhecimento e intercâmbio cultural com Portugal e outros países da Lusofonia.

O âmbito de actuação da associação são os concelhos de Olivença (que inclui as aldeias de São Jorge da Lor, São Bento da Contenda, Vila Real, São Domingos de Gusmão, São Rafael e São Francisco) e Táliga. Portugueses até 1801, constituíram o último território a ser incorporado em Espanha. Os dois séculos significaram uma contínua contribuição cultural hispana sobre o substrato luso, dando lugar a uma riquíssima cultura de síntese que aflora nas suas ruas e gentes.

Além Guadiana considera, todavia, que muitos componentes da cultura portuguesa se estão a perder, como no caso da língua, maioritária até os anos cinquenta e hoje em risco de desaparecer. Segundo os sócios, a cultura portuguesa em Olivença constitui um tesoiro que urge conservar.

A denominação Além Guadiana expressa um olhar mútuo dos dois lados do rio, com a cultura como nexo comum. A associação criou um espaço virtual no endereço seguinte:

http://alemguadiana.blogs.sapo.pt"

fonte: AGAL

Amizade Portugal-Galiza editou às 22:13
link do post | comentar | favorito
|

Noticia desagradável

Noticia desagradável

Todos os que estavam habituados a ver a TV Galicia na TV Cabo habituem-se a partir do dia 2 de Junho não será mais transmitido no pacote clássico, não sei informar se será visível noutro serviço.

Amizade Portugal-Galiza editou às 21:36
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sábado, 12 de Abril de 2008

Televisão portuguesa na Galiza

Galiza pede ao governo televisões lusas

A pressão para conseguir que as televisões portuguesas sejam recebidas na Galiza continua. Anteontem, o parlamento local aprovou por unanimidade pedir ao Governo espanhol, no "prazo mais imediato possível", a recepção das emissões de rádios e televisões lusas. A proposta foi aprovada pelos três grupos parlamentares da câmara galega."Isto demonstra que se trata de uma reivindicação de todo um povo, que clama por dar este importante passo para começar a reverter a artificial separação comunicativa entre Portugal e a Galiza", disse o director da Fundação Via Galego.

A questão é velha, mas com a adopção da Televisão Digital Terrestre (TDT) e o consequente fim do sistema analógico urge planear uma solução. Para que tal seja possível, é preciso que o Governo espanhol autorize um multiplexer adicional ao sistema, o que, segundo foi divulgado, implica um investimento de 15 milhões de euros.

A iniciativa prende-se com o interesse de manter viva a língua galega, considerada "variante do Português", numa altura que os galegos se consideram muito pressionados pela cultura castelhana.

Jornal de Noticias

Amizade Portugal-Galiza editou às 20:42
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 8 de Abril de 2008

Ângelo Cristóvâo (AGLP) Assembleia da Républica Portuguesa

Amizade Portugal-Galiza editou às 19:51
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 5 de Abril de 2008

Aos visitantes

em reestruturação... as minhas desculpas

sinto-me:
Amizade Portugal-Galiza editou às 22:29
link do post | comentar | favorito
|
Concorda com a reunificação de
Portugal+Galiza=Portugaliza

Sim concordo
Não concordo
Talvez fosse uma boa
Queremos é Olivença
Estamos bem como estamos

Votar
resultado parcial...

mais sobre mim

Junho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


posts recentes

o nosso idioma é extenso ...

Além Guadiana na AGAL

Noticia desagradável

Televisão portuguesa na G...

Ângelo Cristóvâo (AGLP) A...

Aos visitantes

arquivos

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Portugal


Lusofonia - Portugal em Linha

Lusotopia

Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

Blogue de Esquerda (II)

((i)) Centro de Média Independente - Portugal

Galiza


Portal Galego da Língua

LusoMatria

CIG (Confederación Intersindical Galega) - Central_Sindical

CIG ensino

galizalivre.org | Resistimos!!

Associação de Amizade

 CMI Galiza - Galiza Indymedia

BRIGA, organizaçom juvenil da esquerda independentista galega

AGIR, organizaçom estudantil da esquerda independentista

Movimento Defesa da Lingua

Via Anti-Colonial Activa

Nós-Unidade Popular

Primeira Linha

Ceivar, organismo popular anti-repressivo



blogs SAPO

subscrever feeds

tags

todas as tags